Vinho e Saúde

VINHO E SAUDE
 

IMPORTANTE:

• As informações aqui disponíveis possuem apenas caráter educativo.
• Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios.
• Existem inúmeras fontes de pesquisa sobre o tema: “vinho e saúde” ou “efeitos benéficos do vinho” que corroboram com nosso trabalho.

SUCO DE UVA:
Possui os mesmos efeitos benéficos para a saúde, porém não contém álcool em sua composição, favorecendo assim o consumo por parte daqueles que têm restrições médicas ou que não consomem álcool por motivos religiosos.

QUANTIDADE:
“Nem muito e nem muito pouco” parece ser o princípio para se realçar os efeitos benéficos do vinho sobre a saúde. Além da quantidade, a regularidade também é importante para se obter os efeitos benéficos do vinho. Os que exageram nos finais de semana e se poupam nos outros dias, podem sofrer todos os malefícios da ingestão exagerada e aguda do vinho sem nenhum ganho para a saúde. Um cálice por refeição parece ser uma medida razoável para pessoas que gozam de uma condição mediana de vida e saúde.

 

VINHO E SAÚDE, ALGUNS FATOS:

Vinho e Coração
Foi nas doenças cardíacas que primeiro se observou os efeitos benéficos da ingestão regular e moderada de vinho. Estudos mostram que o consumo diminui as doenças cardíacas e circulatórias e as mortes entre 40 a 60%.
A bebida aumenta o colesterol HDL (bom colesterol), pelas ações benéficas que exerce ao sistema cardiocirculatório, e diminui o colesterol LDL (mau colesterol).
Aumentam as ações que dificultam a formação de coágulos, que é a causa principal do fechamento dos vasos sangüineos, fato que causa infarto do miocárdio, derrame cerebral e gangrenas.
Aumenta a resistência e a elasticidade da parece vascular e dilata os vasos sangüineos, diminuindo a resistência ao trabalho do coração.

Vinho e Câncer
Apesar dos avanços da medicina, o câncer é a segunda causa de morte no mundo, depois de doenças cardiocirculatórias.
As pessoas que têm o hábito regular de beber vinho moderadamente nas refeições têm 20% menos chance de desenvolver câncer de qualquer tipo - essa proteção deve-se aos polifenóis.

Vinho e o Sistema Digestivo
A digestão de uma refeição acompanhada de vinho é melhor por vários motivos. Um ácido orgânico presente nessa bebida, o cinâmico, estimula a vesícula biliar, que descarrega uma quantidade maior de biles no início do intestino delgado, melhorando e aumentando a digestão das gorduras.
Há ainda as oxidases e as pectases, enzimas que aceleram e facilitam o processo de digestão.

Vinho e as Infecções
Desde a antiguidade se reconhece no vinho um efeito anti-infeccioso. Acreditava-se inicialmente que esse efeito se devia a sua acidez e ao álcool. Essas seriam condições muito hostis às bactérias, que aí não conseguiriam sobreviver. Isso funciona para alguns organismos. Na verdade, a principal ação anti-infecciosa do vinho se deve aos antocianos, que têm uma atividade bactericida direta quando na presença do álcool.
Esse polifenol encontra-se na casca da uva e é o responsável pela sua cor e pela do vinho.

Vinhos e os AVC
Os acidentes vasculares cerebrais podem ser isquêmicos (quando há uma obstrução de um ou mais vasos) ou hemorrágicos (quando um ou mais vasos rompem e extravasam sangue no sistema nervoso) os AVC isquêmicos representam 70% das ocorrências dessa patologia.
As pessoas que têm o hábito regular de beber vinho moderadamente têm menos riscos de desenvolver AVC isquêmico.

Vinho e Pele
Um dos efeitos mais espantosos do vinho é na pele. Ele é tão impressionante talvez porque ela está exposta e nela se pode observar diretamente os resultados.
O colágeno e a elastina são substâncias que dão consistência e elasticidade à pele. A colagenase e a elastase são enzimas que destroem o colágeno e a elastina, respectivamente fazendo com que a pele fique atrófica e menos elástica. Os polifenóis do vinho bloqueiam a ação da colagenase e da elastase, deixando a pela mais elástica e consistente. Além disso, eles melhoram a sua microcirculação e a hidratação.

Vinho e Envelhecimento
Quem bebe vinho nas refeições, moderadamente e regularmente, morre mais tarde e tem melhor qualidade de vida.
O envelhecimento das células, dos tecidos e do organismo como um todo é uma ação dos radicais livres. O organismo produz substâncias que são neutralizadoras desses radicais, mas a produção diminui com o aumento da idade.
Os vinhos, principalmente os tintos, são ricos em polifenóis, que são potentes eliminadores de radicais livres. Assim, é fácil entender o anti-envelhecimento proporcionado pela bebida.
As localidades no mundo onde as pessoas vivem mais são, quase todas, regiões vitivinícolas.

Doenças do Cérebro:
Os efeitos mais conhecidos do álcool sobre o sistema nervoso são a embriaguez e a dependência alcoólica. Entretanto, quando consumido com parcimônia, o vinho parece reduzir o risco de demência, incluindo o Mal de Alzheimer. Segundo alguns especialistas, os polifenóis presentes no vinho (principalmente nos tintos) seriam os responsáveis por evitar o envelhecimento das células cerebrais. É intrigante notar que, proporcionalmente falando, a ação antioxidante dos polifenóis dos vinhos brancos é superior à dos tintos. Entretanto, a quantidade de polifenóis dos tintos é muito superior à dos brancos, tornando estes vinhos mais interessantes para as células cerebrais. Além da ação antioxidante, os vinhos melhoram a circulação cerebral, com o fazem com a circulação coronária. Sabe-se, ainda, que as chances de apresentar depressão são menores em consumidores moderados de vinho.

Doenças Respiratórias:
Experimentos recentes têm demonstrado que o vinho é capaz de reduzir as chances de uma infecção pulmonar, sendo mais eficaz que alguns antibióticos modernos.

Doenças do Aparelho Urinário:
Estudos mostram que o vinho é capaz de reduzir em até 60% o risco de formação de cálculos urinários, ao estimular a diurese.

Diabetes:
O vinho consumido de forma moderada melhora a sensibilidade das células periféricas à insulina, sendo interessante nos pacientes com diabetes tipo 2 (não insulino-dependente). Além disto, o vinho reduz as chances de morte por infarto do miocárdio em pacientes com diabetes tipo 2. Em mulheres, um estudo mostra que o vinho pode reduzir as chances de surgimento de diabetes.

Sangue e Anemia:
O álcool ajuda o organismo a absorver melhor o ferro ingerido nos alimentos. Além disto, um copo de vinho tinto contém, em média, 0,5mg de ferro.

Ossos:
Alguns estudos populacionais têm demonstrado que o consumo de pequenas quantidades de vinho é capaz de melhorar a densidade óssea, reduzindo as chances de osteoporose.

Visão:
O vinho reduz a degeneração macular, causa comum de cegueira em idosos.

 

Sobre a loja

Com início de suas atividades em março do ano 2000, a Campestre Vinhos Finos atua na distribuição de vinhos e bebidas finas. A Empresa comercializa produtos nacionais, dando primazia ao vinho da serra gaúcha, fortalecendo produtores brasileiros. A Empresa atende o Estado de São Paulo através de uma equipe de profissionais de venda e de entrega Relaciona-se com consumidores e revendedores, tendo uma linha específica de produtos para cada segmento, sempre visando à satisfação do cliente.

Pague com
  • PagHiper
  • PayPal
Selos

GABRIEL DE ALMEIDA SANTOS - ME - CNPJ: 27.510.388/0001-27 © Todos os direitos reservados. 2018